Proposta Editorial

O estudo da história do humanismo moderno tem mostrado a recorrente ambição de diversos homens de dominar a totalidade do conhecimento, manusear plenamente as energias motrizes da experiência humana, dominar a estrutura do conhecimento científico e dotá-lo da coerência que tantos acreditam existir, mas que tão elusiva parece na medida em que tentamos pô-la em foco.

A verticalização sobre determinadas esferas deste grande campo, no entanto, repetidamente sobrepujou as ambições universalistas dos polyhistors, do escritor medieval Pedro Comestor (o comedor de livros!) e de tantos outros, com a clara constatação de que, devido à limitação física e mental do ser humano, tal aprofundamento seria a melhor alternativa para a promoção e desenvolvimento do conhecimento. Entretanto, a elusiva coerência desses estudiosos, cuja existência não se pode discutir em absoluto, deixou de ser buscada, já que poderia ser alcançada apenas por um suposto ser de capacidades sobre-humanas, que observaria todos os fragmentos de uma cada vez mais íngreme verticalização do saber.

As ambições editoriais desta nova publicação, portanto, são guiadas pela intenção de demolir barreiras e constrangimentos que separam campos e estudos diferentes, não por incompatibilidades epistemológicas, mas por um sectarismo acadêmico – ainda que certamente anti-acadêmico em seu efeito. A Ars Historica nasce com a expectativa de receber e publicar produções acadêmicas de todos os campos das ciências humanas, de modo a conferir novos horizontes a esse cenário acadêmico. Tal iniciativa, talvez romântica como a pretensão universalista de tantos humanistas, tem a igualmente romântica esperança de inspirar outras iniciativas semelhantes e promover uma comunicação menos atravancada e sectarista dentro das ciências humanas.

A busca por um equilíbrio entre diversas tensões da atividade acadêmica tem também suas facetas pragmáticas. Faz parte da preocupação editorial da Ars Historica a promoção de um espaço para a produção de graduandos, de modo a contribuir com o desenvolvimento de certas faculdades essenciais para uma trajetória acadêmica e que, muitas vezes, não recebem estímulo adequado durante os anos de graduação. Assim, a Ars Historica reconhece que a desenvoltura necessária para a produção acadêmica é um mérito que pode ser alcançado ainda nos primeiros momentos da pesquisa acadêmica. E espera poder contribuir para a academia brasileira, não apenas como um centro de convergência de pesquisa de excelência em todos os campos das ciências humanas, mas também como um espaço, no qual futuros historiadores possam aplicar o que lhes foi ensinado, ao estimular suas faculdades acadêmicas e servir de exemplo aos colegas enquanto produtores, leitores e editores.

Comitê Editorial,

Rodrigo Reis Maia

Considerações Gerais

Ars Historica é a revista eletrônica anual do corpo discente do Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro. O PPGHIS já formou quase 500 mestres e doutores nos seus cursos de Mestrado (credenciado em 1982) e de Doutorado (credenciado em 1992), estruturados a partir de uma área de concentração (História Social) e três linhas de pesquisa: Sociedade e Cultura, Sociedade e Política e Sociedade e Economia.

Assim, para publicação na Ars Historica é necessário, principalmente:

• Que o material contribua para uma reflexão crítica acerca da História e tenha relevância acadêmico-científica.

• Que a fundamentação e o referencial teórico-conceitual do material reflita o estado-da-arte do conhecimento no qual se apóia.

• Que o desenvolvimento do material obedeça aos princípios, às normas e padrões técnicos e metodológicos do fazer científico.

• Que o material permita conclusões que contribuam para o desenvolvimento do conhecimento científico.

O site organizado pelo corpo discente pretende-se dinâmico, podendo ser utilizado para diversos fins. O material publicado através desse meio deverá ser composto por:

• artigos científicos e seus respectivos resumos, que comporão a publicação anual da Ars Historica;

• artigos que fazem parte dos Anais de eventos organizados pelo corpo discente e que, apesar de publicados através do mesmo meio eletrônico, são independentes da Ars Historica;

• resenhas, notas de pesquisa, informações sobre fontes, acervos, dissertações e teses defendidas, entrevistas e debates narrados e/ou transcritos, anúncios de eventos acadêmico-científicos e atividades do PPGHIS, que terão publicação conforme a necessidade e demanda do grupo.

Ars Historica é editada por um Comitê Editorial, constituído por até 5 (cinco) membros do corpo discente do PPGHIS, que se responsabilizam pela produção e gerência da revista, bem como por decisões executivas, sempre que necessário. O Comitê Editorial é assessorado por um Conselho Editorial, integrado por 5 (três) professores do programa. São funções do Conselho Editorial emitir pareceres sobre materiais enviados à revista para publicação e auxiliar o corpo discente do PPGHIS/UFRJ na avaliação permanente revista, quando a isso solicitados.

Os atuais membros do Comitê Editorial são:

• Carlos Henrique V. C. Mota

• Cinthia M. M. Rocha

• Pedro Franke

• Rachel Amaro

• Rodrigo Reis Maia

Os artigos publicados em Ars Historica estão indexados em novembro e não expressam necessariamente as posições da revista. Os autores são responsáveis individualmente por suas opiniões.

O atual Regimento da revista pode ser acessado aqui.

Agradecimentos

O atual Comitê Editorial reconhece a importante contribuição dada pelos predecessores na editoração da Ars Historica, responsáveis pelos primeiros passos – e talvez os mais difíceis – na criação e organização do modelo atual da revista. São eles:

• André de Lemos Freixo

• Cláudio Beserra de Vasconcelos

• Cristina Monteiro de Andrada Luna

• Daniel Pimenta Oliveira de Carvalho

• Felipe Esteves Lima Maciel

• Ivan Norberto dos Santos

• Marcelo Santos de Abreu

• Rachel Motta Cardoso

• Rachel Saint Williams

• Rodrigo Cardoso Soares de Araújo

A eles, nosso sincero agradecimento.